terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Memória da propaganda: “Pharmacia Velloso” – 1935


Um dos estabelecimentos ligados à saúde do povo santareno por quase toda a totalidade do século XX, a Farmácia Velloso publicou a seguinte propaganda, apresentando seus serviços no ano de 1935.




Capela da Comunidade de Aramanaí


Antiga capela da comunidade de Aramanaí, nas margens do rio Tapajós e dedicada a Nossa Senhora das Dores. Hoje pertence à paróquia de Belterra. Não conseguimos datar a foto, mas pode ser de fins da década de 1960 ou início dos anos 1970.




Capela da Comunidade de Marai


Antiga capela da comunidade de Marai, comunidade do rio Tapajós, dedicada ao Sagrado Coração de Jesus. Já pertenceu à paróquia de Belterra e de Boim. A fotografia é de fins da década de 1950.



segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

Meninos apanhando mangas na Praça


No final da década de 1970, uma foto deixou registrada para a posteridade um grupo de meninos tentando apanhar algumas mangas na Praça Barão de Santarém. Acervo ICBS.




Grupo de alunas do Colégio Santa Clara


Algumas das alunas de uma turma de educandas do Colégio Santa Clara na década de 1950 posando para uma foto em uma das escadarias daquele educandário. Fotografia cedida ao blog pela senhora Neide Lira.




A polêmica figura de “Inri Cristo” em Santarém – 1981



Um fato interessante nesta sequência de três fotos. Em junho de 1981, passou por Santarém o catarinense de Indaial, Álvaro Thais, dizendo-se a “encarnação” de Jesus Cristo. Foi recebido pela imprensa como um “fato curioso”, dando entrevistas para a TV, rádios e jornais locais. No entanto, quando o mesmo foi fazer o seu “Sermão do Coreto”, em frente da Catedral, muitas pessoas que foram ali, ficaram descontentes com o que viram e o “Inri de Indaial” foi vaiado e apedrejado, deixando o local. Acervo ICBS.

O movimento de final de ano no Comércio Santareno


Na primeira metade da década de 1980, a rua Lameira Bitencourt via crescer o movimento de consumidores por ocasião das Festas de Final de Ano. Uma ornamentação especial, com temática natalina era feita em toda a pequena extensão da rua, criando o clima para as compras de presentes para os amigos e amigas secretos, ou para a noite de natal em família. Acervo ICBS.




A demolição do antigo Trapiche Municipal – 1978


Durante esta semana, o transito esteve difícil na Praça do Pescador. Máquinas da Companhia das Docas do Pará, em colaboração com a Prefeitura Municipal, estiveram atuando na remoção do madeirame do assoalho e sustentação do antigo Trapiche Municipal. Esse material, segundo o assessor de imprensa da Prefeitura Municipal, Felipe Sousa Filho, está sendo removido para os depósitos do município, a fim de serem utilizados em outras obras.

Um relato do fenômeno das “Terras Caídas” – 1978

As barrancas do rio Amazonas continuam sendo imprevisíveis. O fenômeno das “terras caídas” é bastante conhecido. Casas, roçados, árvores, caem, ano após ano, e são arrastados pela correnteza. Em algumas áreas, agricultores chegam a perder tudo o que plantaram quando o barranco cai. O exemplo mais recente aconteceu com o pescador João Cantídio Almeida Souza, 65 anos, na Ilha do Palhão.

A limpeza das imediações do Porto de Santarém – 1978


Na semana passada, esteve em Santarém uma equipe de três escafandristas e dois engenheiros da Companhia das Docas do Pará. A equipe veio chefiada pelo diretor de tráfego da CDP, engenheiro José Barros Leite, teve a incumbência de fazer a limpeza do leito do rio Tapajós, nas imediações do píer do Cais do Porto. Somente resto de madeirame utilizado na construção do porto foi encontrado pelos escafandristas, que atestam não haver perigo para embarcações.

Notícia dos Escoteiros de Santarém – 1978


Duzentos e quatorze meninos na faixa etária entre sete e quatorze anos, já estão inscritos no novo grupo de Escoteiros, reativado no mês de outubro, em Santarém. Segundo o chefe, Waldemir Sabino dos Santos, estão sendo entregues as credenciais para os garotos e o grupo não tem mais a denominação de “Marcílio Dias”, como antigamente, e sim “OLAVO BILAC”. O grupo vai acampar nos bosques próximos a Santarém, devendo retornar somente domingo à tarde. Segundo Sabino, os novos escoteiros vão fazer treinamento sobre como sobreviver na mata.

domingo, 9 de dezembro de 2018

Praça do Pescador na década de 1970


Construída onde antes havia uma praia, durante o verão, a Praça do Pescador assim se mostrava em um cartão postal pouco depois de ter sido inaugurada. Dois monumentos faziam parte da arquitetura original da Praça: uma imagem de São Pedro, padroeiro dos pescadores e uma homenagem à conquista da Copa de 1970. Acervo de Edenmar da Costa Machado.



Praça Rodrigues dos Santos na década de 1970


A Praça mais antiga de Santarém, em um cartão postal da década de 1970, com seu projeto arquitetônico dando destaque à estátua feita em homenagem a Haroldo Veloso, principal mentor da Revolta de Jacareacanga. Acervo de Edenmar da Costa Machado.



Rua Siqueira Campos na década de 1970


Cena do movimento da Rua Siqueira Campos registrada em um cartão postal da década de 1970. Vista a partir da perspectiva da Praça da Bandeira, podendo-se ver a Catedral, o Cinema Olímpia e os benjamins da Praça da Matriz. Acervo Edenmar da Costa Machado.




Limpeza da Travessa Silvino Pinto na década de 1970


Na década de 1970, um grupo de moradores da Travessa Silvino Pinto realizam a limpeza daquela artéria, quando a mesma ainda não havia recebido a pavimentação asfáltica que hoje existe. Ao fundo a capela de Nossa Senhora das Graças com sua pracinha. Acervo ICBS.




A Avenida Barão do Rio Branco na década de 1970


Vista da Avenida Barão do Rio Branco, na década de 1970, próximo ao cruzamento com a Avenida Rui Barbosa. Além dos prédios icônicos, podemos ver um antigo ônibus e um “pau-de-arara” que fazia transporte para as comunidades do interior. Acervo ICBS.




A Travessa dos Mártires no início da década de 1980


Uma das ruas mais antigas do centro de Santarém, a Travessa dos Mártires faz parte, hoje, do movimentado centro comercial da cidade. Nesta foto do início dos anos 1980 podemos ver uma das maiores lojas do passado, a “Boas Lojas Paralar”, que depois se tornaria apenas “Boas Lojas”. Acervo ICBS.



Sobre o Saneamento Rural em Santarém – 1924


Com complemento ao que sempre temos feito, publicamos, nas linhas que se seguem, o resumo dos trabalhos do posto do Saneamento Rural “Gaspar Vianna”, desta cidade, referente ao primeiro semestre do corrente ano.
A frequência geral de doentes naquele período elevou-se ao número de 13.822 pessoas, e o serviço de matriculas nas diferentes seções do serviço atingiu o número de 3.522. Destas, 818, ficaram registradas no serviço contra o impaludismo; 2.532 no de verminose; 118 no de lepra, sífilis e doenças veneras e 54 em diversas outras moléstias.

O “Sindicato União dos Operários Marítimos de Santarém”


Revestiu-se de excepcional brilho a festa com que esta novel e pujante agremiação de homens humildes do trabalho, promoveu no dia 23 de junho do corrente, para inaugurar sua sede social na travessa Rio Branco, Nº 05, e proceder o juramento solene da classe à bandeira, sob cujo desígnio, os associados trarão os destinos desse grêmio de proletários.

A Catedral iluminada na década de 1970


As noites de arraial na década de 1970 sempre esperavam pela ornamentação luminosa da igreja Catedral de Nossa Senhora da Conceição, como a que pode ser vista neste cartão postal da década de 1970. Foto do acervo familiar de Elias Lopes do Rosário.