segunda-feira, 25 de maio de 2020

A devoção obidense ao Bom Jesus


Por Pe. Sidney Augusto Canto

A devoção ao Bom Jesus é muito comum no Pará. Existem relatos de sua existência em Belém, Vigia (Bom Jesus dos Passos), Cametá (Bom Jesus dos Aflitos), São Caetano de Odivelas (Bom Jesus dos Navegantes), Monte Alegre e também na nossa querida cidade de Óbidos.
Sabemos que duas capelas dedicadas a Bom Jesus ornam a história de Óbidos. E as duas construções se confundem, por vezes, nos relatos históricos. Vejamos o que alguns textos do passado nos dizem a respeito de ambas.

domingo, 24 de maio de 2020

Arbitrariedades na Fordlândia em 1930


Mais uma vez temos sido procurados por pessoas vindas de Boa Vista, que nos vem relatar fatos ali ocorridos, os quais, uma vez apurados e provados, reclamam uma séria intervenção dos poderes competentes do Estado. Pondo de quarentene, todavia, as informações que nos são trazidas pelo fato de não querermos ser veículo de falsas notícias, temos nos obstado a registrá-las, mesmo porque, sem prova bastante, ninguém há que, sem boa intenção ouse fazê-lo.
Acontecendo, porém, encrudescerem as queixas e reclamações das sedizentes vítimas das arbitrariedades boa-vistenses, não achamos justo deixar de registrá-las agora, o que fazemos com a necessária reserva.

Sobre o Grupo Escolar de Santarém em 1930


A deficiência do edifício em que se acha instalado o nosso Grupo Escolar, como bem acentuou o sr. dr. Arnaldo Moraes na recente visita que fez ao conceituado estabelecimento de instrução primária, é um fato de todos conhecido, que está pedindo as vistas do governo do Estado.
De feito, impróprio a todas as exigências da pedagogia moderna, inadequado por sua antiquada construção e acanhados compartimentos, a convivência diária de cerca de quatrocentas crianças que procuram nas luzes do alfabeto um futuro promissor, o prédio do Grupo Escolar não está em ajuste com o fim a que se vem ele destinando, de vez que foge a todos os requisitos exigidos para uma casa de ensino onde se aglomeram diariamente inúmeros estudantes.

Sobre o alistamento eleitoral em 1930


O sr. coronel Intendente do município desejando elevar ao máximo o valor eleitoral de Santarém, determinou continuassem a funcionar ativamente as comissões incumbidas do alistamento.
De fato, é ridículo para nós, com um grande município, cuja população passa de 50 mil almas, figurarmos na lista geral do Estado com um número de 1.900 eleitores, enquanto outras comarcas menores apresentam 3 e 4 mil votantes.

Uma carta procedente de Fordlândia em 1930


COMPANHEIRO – Recebi tua carta.
Felizmente estou bem, ganhando a boia e 6.000 réis de jorua.
Todos os dias peço a Deus que se compadeça de mim, porque se adoecer, nada ganharei e, o hospital daqui é o terror dos vivos. Os médicos são bons, mas se confiam muito nos enfermeiros.
E ainda mais que, apesar da Companhia manter uma secção de saneamento, ultimamente tem aparecido diversos casos de beri-beri; e dizem que tal doença era, até então, desconhecida nesta zona. Afirmam os experientes que é o efeito do arroz mal cozido e distribuído na alimentação do pessoal.

A cultura do algodão no município de Santarém em 1929


Outrora, apaixonado pelo plantio do algodão, hoje, modesto observador do desenvolvimento de sua cultura neste município, cuja melhoria acompanhamos com interesse, não nos podemos furtar de exteriorizar a nossa grande satisfação por ver que o algodão de Santarém alcança um grau de destaque bem apreciável.
Anos atrás, a cultura dessa malvácea era aqui empiricamente feita pelos meios os mais rotineiros. Mesclado, havendo uma variedade desuniforme de tipos, era feito o plantio sem orientação e sem nenhum conhecimento cultural, trazendo ao lavrador, em consequência, muitas vezes, fracasso à quantidade, à qualidade e ao rendimento.

Notícias do Fórum de Justiça em Santarém – 1930


Terminarão, a 06 de janeiro do corrente, as férias forenses, devendo o dr. Juiz de Direito dar a sua primeira audiência ordinária no dia 11 do corrente.
Consta-nos que vão ser tomadas providências para o prosseguimento das diversas ações criminais que, por justos motivos, não se concluíram no ano findo, como também para o encerramento de todos os menores recolhidos em casas de famílias desta cidade para melhor fiscalização de sua conduta e tratamento.

Festa de São Sebastião em 1930


Não havendo diretoria formada para efetuar a festa de São Sebastião, neste ano, o sr. vigário da paróquia organizou uma comissão que vai se incumbir das homenagens a serem prestadas ao santo orago da Prainha.
A referida Comissão é a seguinte: Frei Ambrósio, vigário da paróquia; d. Martinha Gentil, senhores Antônio Carvalho, Geraldo Alho e José Cardoso da Silva.

Sobre as Escolas de Santarém em 1929


De acordo com a proposta aprovada pelo Conselho Municipal em sua última reunião, o sr. coronel Intendente baixou um ato sob Nº 08, em data de 16 deste mês, denominando Escola Antônio Braga a dirigida pelo professor Antônio Carvalho; Escola José Rodrigues a dirigida pelo professor José Virginio da Motta; Escola Rosa Passos a dirigida pela professora Anna Corrêa de Miranda e Escola Professor Sarmento a dirigida pela professora Carmelita Rodrigues dos Santos.

O “Ferrolho” da Matriz de Santarém


Há muitos anos os habitués da nossa Matriz, vem notando que um lado da porta principal esquerda de entrada na Igreja, mesmo nas grandes solenidades, se conserva sempre fechado, assim como quem tem saudades de gesto idêntico, que marcou por longo tempo, o desgosto da Santa Sé pela contenda, felizmente em boa hora resolvida (e aqui já festejada) com o governo italiano. Mas o caso é outro ao que sabemos, devido a argucia do nosso cândido Saulo (cá de casa).

Sobre a “Lei Seca” em Fordlândia – 1929


Domingo último, passou pelo porto desta cidade, de volta da Fordlândia, o vapor “Miguel Bittar” que, fretado pelos industriais Ford, ali fora levar mais uma partida de materiais. A chegada desse naviu ali foi como um Maná do Céu!...
Os “secos a força” ocuparam o navio, e o botequim virou... a seco, embora levasse farta provisão de... óleos, etc.

sábado, 23 de maio de 2020

Sobre o “Lyceu Obidense”


Segundo comunicação que nos foi feita pelo sr. dr. Modesto Costa, juiz substituto de Óbidos, a 07 de janeiro vindouro inaugurar-se-á ali uma casa de instrução primária e secundária, sob a sua direção e tendo como professores os srs. Drs. Braulino Carvalho, Barão do Solimões, Lívio César, Augusto Amarante, prof. José Nunes, Barroso Tostes e as normalistas d.d. Perpétua Figueira e Cacilda Pinheiro.

Chegada de Dom Eduardo Herberhold a Santarém – 1928


No paquete “Duque de Caxias”, entrado em nosso porto à noite de 09 de setembro do corrente, chegou a esta cidade, procedente da Bahia, o revmo. Sr. D. Eduardo Herberhold, recentemente sagrado bispo-prelado auxiliar desta Prelazia.
Em virtude da hora avançada da chegada do navio, deixou de ser prestada ao ilustre antistite a recepção condiga que lhe estava preparada. Entretanto, após a missa que D. Eduardo oficiou pela manhã de 10, na Catedral, recebeu s. revma. os cumprimentos das principais autoridades e pessoas gradas do nosso meio, tomando parte na manifestação inúmeras crianças das escolas públicas e particulares, que cantaram hinos sacros.

Um editorial sobre Frei Ambrósio Philipsemburg


Qual destemido batalhador que refeito de forças volve às fileiras do combate, regressou a Santarém Frei Ambrósio, o incansável disciplinador da mocidade, o sacerdote de iniciativa a cujos esforços algumas centenas de meninos e de homens devem o que sabem.
Longos anos de sua vida útil e trabalhosa deu-nos frei Ambrósio ao desenvolvimento da instrução entre a infância masculina de nossa terra.

domingo, 10 de maio de 2020

Altar preparado para o Mês de Maio em Óbidos



Localizado em uma das paredes laterais da nave central da Igreja Matriz da Paróquia de Santa Ana, em Óbidos, o altar dedicado a Nossa Senhora de Lourdes recebia especial decoração para o “Mês de Maio”, conforme podemos ver nesta foto da década de 1950. Foto cedida ao blog pela amiga professora “Ida” Marinho.

Coroação de Nossa Senhora na Matriz de Óbidos



Um grupo de crianças realiza a cerimônia de “Coroação de Nossa Senhora”, realizada possivelmente na década de 1960, diante do principal altar da Igreja Matriz de Santa Ana, em Óbidos. Foto cedida ao blog pela amiga professora “Ida” Marinho.

Homenagem a Nossa Senhora nas Santas Missões em Óbidos



Realizada em 1953, a primeira das Santas Missões Populares, pregadas pelos padres Redentoristas, na Paróquia de Santa Ana, em Óbidos, teve um momento de homenagem a Nossa Senhora, feita pelas mulheres, que carregavam solenemente em procissão o ícone de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Foto cedida ao blog pela amiga professora “Ida” Marinho.

quarta-feira, 6 de maio de 2020

A honestidade do major Veloso em Santarém – 1956


Na rebelião de Jacareacanga, o major Haroldo Veloso desceu em Santarém, a mais próspera cidade do Baixo Amazonas, encheu o aeroporto de tambores de óleo e ficou entrincheirado lá. Mesmo assim, o repórter Oswaldo Mendes, hoje diretor da Mendes Publicidade, saiu de Belém, em um teco-teco, conseguiu descer e foi para a cidade.
Santarém tinha três agências bancárias: Banco do Brasil, Banco da Amazônia e Caixa Econômica Federal. Os gerentes ficaram em pânico, com medo de o major mandar requisitar os depósitos. Cada um dos três imaginou logo uma solução que pareceu genial: tirar o dinheiro e depositar na agência do outro, para afastar a responsabilidade das próprias costas. Só que se encontraram no meio da rua e o plano tríplice fracassou.

Exploração de ouro pelos indígenas no rio Tapajós em 1928


No Alto Tapajós, nas situações remansosas, onde a correnteza é quase nula e a profundidade maior, os índios recolhem em cabaças as areias do leito do rio e, após lavagens sucessivas, apuram pequenas camadas de palhetas de ouro e ouro em pó. Os mamelucos, acondicionando esse ouro em pequenos canudos de bambu, do peso aproximado de 2 quilos, fazem a “barganha” na cidade de Santarém e vila de Itaituba, por aguardente, farinha, açúcar e outros gêneros.

Sobre a estrada de Santarém a Cuiabá em 1891


O Governador do Estado (do Pará), o sr. Dr. Justo Chermont, acendendo o pedido que lhe fez o Governador do Estado de Mato Grosso, o sr. general Antônio Coelho, decretou a construção de uma estrada de rodagem de Itaituba ou Santarém à Cuiabá, abrindo concorrência por seis meses, para os trabalhos da construção.
Cada Estado pagará as despesas dos trabalhos compreendidos no seu território.
Esta estrada dará vigoroso impulso às comunicações daqueles dois Estados e será o início para a construção de uma estrada de ferro.