terça-feira, 6 de agosto de 2019

Inauguração do Templo Central da Assembleia de Deus


Agradecemos o convite que nos foi formulado pela Igreja Evangélica Assembleia de Deus, nesta cidade, para assistirmos as solenidades da inauguração de sua nova Sede-Templo, localizada à Avenida Mendonça Furtado, fato que vai ocorrer no próximo dia 27 de agosto, e que será dilatado com conferências evangélicas nos dias 28 a 31 do referido mês, das 19,30 às 21 horas. Ali estaremos representados pelo nosso companheiro Evangelista Damasceno. 

Interventor inspeciona interior e inaugura escola


Durante o dia de hoje, dando prosseguimento ao vasto programa elaborado por s. exa. em favor do homem do interior, o capitão Elmano Moura Melo, digno e operoso interventor federal em nosso município, estará visitando as localidades de Bom Jardim, Santa Rosa, Murumuru e Ipaupixuna, para tomar contato com seus problemas e determinar providências, a fim de solucioná-los.

Santarém terá Matadouro Modelo


Segundo fomos informados, s. Exa. o Interventor Federal, capitão Elmano Moura Melo, assinou convênio com o Instituto Nacional de Desenvolvimento Agrário (INDA), e conseguiu os recursos financeiros para a construção de um matadouro modelo em Santarém. Essa notícia muito nos alegra porque, apesar da falta de carne que atualmente sofremos, nos dá a esperança de, no futuro, termos um matadouro digno do progresso de nossa cidade, e que vai dar à população maior segurança de higiene no tratamento da carne para sua manutenção. 

Semana do Soldado em 1969


Fazendo cumprir as determinações do Ministério do Exército, que recomendou a todas as suas unidades a elaboração e execução de um programa comemorativo durante a semana de 19 a 25 do corrente, o Tiro de Guerra 190 vem desenvolvendo um programa caprichado que culminará com a formatura e desfile na próxima segunda-feira, dia dedicado à memória de Luis Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias, patrono do Exército Brasileiro. 

sábado, 3 de agosto de 2019

Congregação Mariana do Bairro da Aldeia



Na década de 1950 haviam duas Congregações Marianas na cidade de Santarém. Uma na Paróquia de Nossa Senhora da Conceição e outra na Paróquia de São Raimundo Nonato, no bairro da Aldeia. Nesta foto podemos ver a Congregação Mariana de São Raimundo, posando na frente da Igreja Matriz do santo padroeiro da Aldeia, em Santarém. Foto do acervo familiar de Antônio Pereira.


Apresentação de Teatro na Casa Cristo Rei



Cena de uma peça teatral apresentada na década de 1950 no palco do Teatro Cristo Rei, apresentada pelo Grupo Cênico da Congregação Mariana dos Moços de Santarém. Foto do acervo familiar de Antônio Pereira.


Enfermaria do Hospital SESP em Santarém



Vista da enfermaria do Hospital do SESP em Santarém, em fins da década de 1940 ou início da década de 1950. Pode-se ver um grupo de enfermeiras que trabalhavam naquela instituição àquela época. Foto do acervo familiar de Antônio Pereira.


quinta-feira, 1 de agosto de 2019

Vila do DER em Santarém



Vista da Vila residencial “Eng. Dilermando Menescal”, logo após ter sido construída, na segunda metade da década de 1960, para servir de residência para os funcionários do DER e suas famílias, no bairro da Prainha, em Santarém.


Construção da Hidroelétrica de Curuá-Una



Vista da concretagem da Usina Hidroelétrica de Curuá-Una, na década de 1960. A usina fica localizada na antiga cachoeira do Palhão, no rio Curuá-Una. Um empreendimento conjunto do Governo do Pará/CELPA, e do Governo Federal/SUDAM e ELETROBRAS.


Sede do DER em Santarém



Sede da Divisão Regional do DER em Santarém na década de 1960. Neste prédio do Governo do Pará, colocava-se em prática a “Operação Tapajós”, planejada pelo governador Alacid Nunes, durante seu primeiro mandato.


Inauguração da Escola Padre Manuel Albuquerque



Momento em que o então prefeito de Santarém, Paulo Imbiriba Lisboa, desfaz a faixa de inauguração da Escola Municipal Padre Manuel Rebouças Albuquerque, no Bairro da Prainha, tendo ajuda do poeta Emir Bemerguy. Foto do acervo familiar de Paulo e Socorro Lisboa.


Trecho do Ramal da Briosa na década de 1970



Uma parte do Ramal da Briosa, na segunda metade da década de 1970, quando a comunidade ainda pertencia à Santarém (hoje pertence ao município de Mojuí dos Campos). Foto do acervo familiar de Paulo e Socorro Lisboa.


Clóvis Morais Rego em Santarém – 1975



O prefeito de Santarém, Paulo Imbiriba Lisboa, recebe, no antigo Aeroporto Municipal de Santarém, o vice-governador do Estado do Pará, Clóvis Morais Rego, em visita oficial ao município, no mês de outubro do ano de 1975. Foto do acervo familiar de Paulo e Socorro Lisboa.


As cadeiras do Estádio Municipal – 1969

Na reunião passada da Liga Esportiva Santarena – LES, o presidente da mesma apresentou o seu plano de trabalho, dentre os quais estão, em primeira mão, a venda das cadeiras cativas e a iluminação do Estádio, dependendo, este último, da conclusão do primeiro.

As convenções municipais em Santarém – 1969

Amanhã (10 de agosto), a partir das 9:00 horas, os eleitores inscritos tanto na Aliança Renovadora Nacional, como no Movimento Democrático Brasileiro, como acontece em todo o território nacional, estarão comparecendo às urnas para sufragar, livremente, os nomes daqueles que deverão dirigir os destinos dos diretórios municipais por dois anos, de acordo com o que preceitua o Ato Complementar 54.

O Torneio de Santo Inácio em Boim – 1969

Em Boim, por ocasião das festividades de Santo Inácio de Loyola, o “América” daquela localidade derrotou o “Associação” de Prainha, conquistando, assim um lindo troféu oferecido pela Comissão Organizadora da Festa.

Rotary Clube comemora o dia dos pais

Como ocorre todos os anos, as senhoras componentes da “Casa da Amizade” promoveram um bonito programa oferecido aos rotarianos por ocasião da reunião ordinária de quinta-feira última, em comemoração antecipada do dia dos pais. Na ocasião foi homenageado, conforme a praxe, o PAI DO ANO, cuja escolha recaiu, merecidamente, na pessoa do sr. Alfredo Ferreira Coelho, ex-rotariano e chefe de família de comprovada retidão moral e dedicação ao seu lar. O homenageado, que foi alvo do carinho dos seus companheiros, recebeu, na ocasião, um valioso brinde, que lhe foi entregue pela presidente da Casa da Amizade.

Um encontro entre Elmano Moura e Ubaldo Corrêa – 1969

Apesar de não se fazer presente ao aeroporto por ocasião da chegada do dr. Ubaldo Correa, devido outros compromissos inadiáveis, à tarde do mesmo dia, s. exa. o capitão Elmano de Moura Melo, digno Interventor Federal em nosso município, fez-lhe uma visita de cortesia, na residência de sua genitora e demorou-se em cordial palestra. Na ocasião, entregou ao presidente a ARENA municipal uma cópia do relatório da Comissão de Alto Nível que promoveu o levantamento contábil da Prefeitura Municipal e da vida pregressa de muitos arenistas, assegurando-lhe que as informações que motivaram uma divulgação tendenciosa de um matutino da capital não foram de sua autoria.

Rodovia Óbidos-Alenquer em 1970



Trecho da então Rodovia PA 28, que ligava os municípios de Óbidos a Alenquer no ano de 1970. Ainda hoje uma PA que não recebeu o asfaltamento necessário.


Máquinas do DER na década de 1960



Nestas duas imagens podemos ver o embarque, feito na segunda metade da década de 1960, de máquinas do DER que vieram para Santarém, a fim de serem utilizadas em diversas obras na região do Baixo Amazonas.

Terceira Divisão de Obras em Santarém na década de 1960



Em fins da década de 1960 assim se encontrava o conjunto de prédios que compunham o almoxarifado e a oficina mecânica da Terceira Divisão Regional de Obras do Estado do Pará, em Santarém.


Gabinete Dentário do DER em Santarém



Em fins da década de 1960, a sede regional do DER em Santarém possuía consultório de atendimento dentário, com dentista pago com verbas do governo do Estado, conforme podemos ver nesta foto.


O Festival de Prêmios da APAE – Santarém – 1979


Com a verba de 500 mil cruzeiros doada pelo Governo do Estado, foi antecipada a inauguração das instalações da Escola da APAE, que estava prevista para o final de julho, para 30 de junho. Na semana passada o presidente, Wilmar Frazão, iniciou uma campanha denominada “Festival de Prêmios”, no qual entrarão em sorteio pela extração da Loteria Federal: um carro Brasília zero quilometro, um televisor, uma geladeira, uma bicicleta e uma máquina de costura. O dinheiro arrecadado será revestido na aquisição de material.

O concurso “A Voz de Ouro” em 1979


O Instituto Batista de Santarém vai promover, de primeiro a dezenove de maio, o concurso Voz de Ouro Estudantil – 1979, com o objetivo de angariar fundos para a compra de ventiladores para o estabelecimento. O concurso terá três eliminatórias: uma no primeiro dia (01 de maio), por ocasião da abertura; a segunda no dia 12 de maio e a terceira no dia 19 de maio. As eliminatórias terão lugar no salão nobre do Instituto Batista pela parte matutina e contará com a participação de representantes das escolas Almirante Soares Dutra, Ezeriel Mônico de Matos, São Francisco e Madre Imaculada.

O ensino do SUPLETIVO em 1979


Até o dia 18 de maio estarão abertas as inscrições para o supletivo de 1º e 2º graus. Os interessados podem procurar a secretaria do Colégio Álvaro Adolfo no horário de 7 às 12 horas, devendo pagar uma taxa de 50 cruzeiros, além de apresentarem os seguintes documentos: Carteira de Identidade, Título Eleitoral, Certificado de Reservista e duas fotos 3X4. Os documentos terão que ser originais, mas serão imediatamente devolvidos. As disciplinas para o 1º e 2º graus serão as seguintes: Língua Portuguesa, Moral e Cívica, OSPB, História, Geografia, Ciências Físicas e Biológicas, Matemática e Inglês, apenas para o 2º grau. As provas serão realizadas de 14 a 30 de junho. Essas informações foram oferecidas pelo professor Olindo Neves, da 5ª Divisão.

O Sairé em Alter do Chão no ano de 1979


A festa maior do Baixo Amazonas – o Sairé, será realizada no período de 21 a 24 de junho, na Vila de Alter do Chão, coordenado por Emanoel Viana do Valle e tendo como juiz o sr. Edson Serique. Os ensaios começarão no dia 01 de maio e a comunidade já está elaborando convites que serão enviados às autoridades do Estado e comunidades vizinhas.

Sete notícias de outros meses de agosto...


1848 – Por meio de um Aviso do Ministério da Fazenda do Império do Brasil, foram nomeadas as seguintes pessoas para a Agência dos Correios da Vila de Monte Alegre, no Pará: Pedro Coelho de Abreo, agente e Raymundo Mariano de Lemos, ajudante.

1863 – Em 10 de Agosto, o Bispo do Pará, Dom Antônio de Macedo Costa, solicita que o Ministro da Fazenda do Império conceda isenção de impostos na Alfandega do Pará sobre diversos objetos para o culto divino, entre os quais um Sacrário para a Igreja Matriz de Santa Ana, em Óbidos, que foi comprado por subscrição pública dos fiéis e que veio da França, via cidade de Nantes.

1929 – Durante o mês de agosto, no lugar denominado “Rocha Negra”, localizado próximo ao Cambuquira, a água do igarapé que desce da Serra do Piquiatuba apresentou um raro fenômeno de possuir cheiro e gosto de querosene. O fato chamou a atenção das pessoas. Haveria petróleo junto à cachoeira da “Rocha Negra”?

1935 – Em Assembleia Geral realizada no dia 03 de agosto é eleito como novo presidente do Centro Recreativo, em Santarém, o dr. Paulo Cabral. Uma de suas primeiras sugestões como presidente foi sugerir a mudança da sede social para os vastos salões existentes nos altos da casa “A Pernambucana”.

1948 – Na noite do dia 02 de agosto, o Governador do Estado do Pará, Moura de Carvalho, visita a Escola Técnica de Comércio, mantida pela Associação Comercial de Santarém. Na ocasião, o governador foi saudado pelo aluno Manoel Raimundo Azevedo. Hoje a Escola Técnica se chama Colégio Rodrigues dos Santos.

1969 – Na noite do dia 10 de agosto, é reinaugurada, no Bairro da Aldeia, em Santarém, a Praça do Centenário (foto). A mesma sofreu uma reforma geral realizada pelo interventor federal Emanuel Moura. Foi a primeira grande reforma sofrida por aquele logradouro público desde sua inauguração, em 1948.


1982 – Falece, no hospital das Forças Armadas, em Brasília, no dia 26 de agosto, o juiz, ex-presidente do Tribunal Superior do Trabalho e do TRT da 8ª Região, o obidense Raymundo de Souza Moura. O extinto foi vítima de infarto do miocárdio.

sexta-feira, 26 de julho de 2019

Documentos da Cabanagem no Baixo Amazonas: A ajuda militar do Maranhão



Mapa com a relação nominal dos militares do 4º Batalhão de Caçadores da Província do Maranhão, que vieram para Santarém ajudar a contraofensiva contra os cabanos em 1837. Os soldados constantes nesta relação ajudaram não somente na defesa da Vila de Santarém, mas também na tomada do quartel cabano de Ecuipiranga e de outros pontos de resistência em nossa região. O documento faz parte do acervo do Arquivo Público do Pará. O documento faz parte do acervo do Arquivo Público do Pará.


Documentos da Cabanagem no Baixo Amazonas: Carta do Padre João Fernandes



Carta do pároco interino de Santarém, padre João Antônio Fernandes, sobre a situação da Vila de Tapajós (Santarém), em junho de 1836. Em resumo, o padre fala da expulsão dos cabanos da Vila de Santarém no dia 16 de junho e de sua retomada pelos mesmos em 17 seguinte “roubando e destruindo tudo quanto encontram”. Ao contrário do que se supunha, até então posto por historiadores, padre João Fernandes não era assim tão “amigo dos cabanos”, nesta carta ele os trata como “rebeldes e sediciosos” e suplica ao governo da província que mande socorro de uma embarcação de guerra e munição para combater os cabanos do Tapajós. O documento faz parte do acervo do Arquivo Público do Pará.


Documentos da Cabanagem no Baixo Amazonas: Força Militar de Alter do Chão


Mapa da Companhia da Guarda Nacional da Freguesia de Nossa Senhora da Saúde, em Alter do Chão, feita em janeiro de 1835, pelo seu comandante, Antônio dos Passos. A Companhia fazia parte do Batalhão de Santarém e constava de 62 praças que tinham a responsabilidade de defender a Vila das incursões cabanas. Não foi suficiente, pois um ano depois Alter do Chão seria tomada pela força revolucionária da Cabanagem. O documento faz parte do acervo do Arquivo Público do Pará.

Documentos da Cabanagem no Baixo Amazonas: Munições do Batalhão do Tapajós



Armamentos da Guarda Nacional aquartelada na Vila de Tapajós (Santarém), em outubro de 1834, após uma série de incidentes, incluindo a primeira invasão cabana à Vila de Santarém, ocorrido em agosto de 1834. O mapa foi feito pelo comandante interino da Guarda Nacional, major Antonio de Mello Garcia, que fez uma interessante observação no mesmo sobre a qualidade desse armamento. Boa parte desse armamento seria desviado, no ano seguinte, para a força revolucionária cabana. O documento faz parte do acervo do Arquivo Público do Pará.


terça-feira, 23 de julho de 2019

Andor de Santa Ana, em Óbidos, no ano de 1981



Confeccionado em madeira de lei, com esculturas de anjos, ao exemplo da Berlinda de Nossa Senhora de Nazaré, assim se apresentava o andor que conduz a padroeira dos obidenses, no ano de 1981. Fotografia cedida ao blog pela amiga “Ida” Marinho.


Grupo de alunas do Colégio São José, em Óbidos



Registro feito em uma das salas de aula do educandário São José, em Óbidos, na década de 1950, com uma turma de alunas daquela escola tradicional da cidade. Fotografia cedida ao blog pela amiga “Ida” Marinho.


Grupo de crianças da Primeira Eucaristia em Óbidos



Fotografia de fins da década de 1950 ou início da década de 1960, com um grupo de crianças da catequese de Primeira Eucaristia, acompanhadas de Frei Prudêncio, no salão paroquial da Matriz de Santa Ana, em Óbidos. Fotografia cedida ao blog pela amiga “Ida” Marinho.


sexta-feira, 19 de julho de 2019

Um dos primeiros documentos da Câmara Municipal de Vila Franca



Informando que remete em anexo as suas “Posturas Municipais”, os vereadores da Câmara Municipal de Vila Franca (rio Arapiuns), informam que não o fizeram antes pela demora em receber o ofício vindo da capital da Província. Está assinado pelos primeiros vereadores de Vila Franca, documento que hoje está no acervo do Arquivo Público do Pará.

Um dos primeiros documentos da Câmara de Municipal da Vila de Boim



Tratando da Igreja Matriz de Santo Inácio de Loyola, que se achava “decabada”, os vereadores da Câmara de Boim (rio Tapajós), informa ao presidente da Província que vão dar início à construção de uma nova Igreja Matriz, conforme consta no ofício assinada (a maioria com um X ou “cruz”) pelos primeiros vereadores de Boim, documento que hoje está no acervo do Arquivo Público do Pará.


Um dos primeiros documentos da Câmara Municipal da Vila de Faro



Tratando do contrato de “Arrematação de Aguardente” (a boa e velha cachaça) a Câmara Municipal de Faro trata sobre o assunto junto ao Presidente da Província do Pará, Barão de Bagé, por meio do ofício abaixo, assinado pelos primeiros vereadores de Faro, documento que hoje está no acervo do Arquivo Público do Pará.

Um dos primeiros documentos da Câmara Municipal da Vila de Óbidos



Ofício encaminhado pela Câmara Municipal da então Vila de Óbidos, encaminhado ao Presidente da Província do Pará, tratando da prestação de contas do primeiro ano de funcionamento da sobredita Câmara Municipal, assinado por todos os primeiros vereadores da terra Pauxis, documento que hoje está no acervo do Arquivo Público do Pará.

Procissão de Santa Ana, em Óbidos



Uma das diversas procissões noturnas que acontecem durante a quadra festiva da padroeira dos obidenses, Santa Ana, durante a década de 1970. Acervo familiar de Hélcio Amaral.


Frente da cidade de Óbidos em fins da década de 1950



Com seu típico casario de sobrados em estilo português, assim se apresentava a frente da cidade de Óbidos em fins da década de 1950, durante o período da seca do rio Amazonas. Acervo familiar de Hélcio Amaral.


Porto da cidade de Óbidos



Porto da Cidade de Óbidos, situado no Estreito do Rio Amazonas, com o movimento de embarcações que viajavam pela Amazônia em fins da década de 1930. Acervo familiar de Hélcio Amaral.

segunda-feira, 1 de julho de 2019

Andor com imagem da padroeira de Óbidos


Construção da Pista do Aeroporto de Óbidos


Turma de jardim de infância em Óbidos


Sete notícias de outros meses de julho...


1849 – No dia 28 de julho, o Ministério da Fazenda do Império do Brasil, nomeia o senhor Raimundo Endoxa de Carvalho Penna para agente do Correio da agência de Monte Alegre, PA, bem como a demissão de Delfino José Nunes da função de ajudante da mesma agência.

1879 – No dia 01 de julho, é apresentado, na Assembleia Provincial do Grão-Pará, um projeto de Lei que propõe a criação de uma escola do sexo masculino no lugar denominado Uruá-Tapera, na comarca de Óbidos. É o início da história da educação na atual cidade de Oriximiná.

1919 – Dom Amando Bahlmann, Bispo Prelado de Santarém (foto abaixo), realiza uma série de conferências sobre “A Catequese dos Índios Mundurucus” no sul do país. No dia 25 de julho o faz no Cinema São José, no município São José, SC, e, no dia 26 de julho o faz em Florianópolis, no salão do Gymnasio Catharinense.


1929 – O Intendente de Santarém, por meio de um decreto do dia 16 de julho, nomeou as seguintes Escolas Municipais: Escola Antônio Braga, dirigida pelo professor Antônio Bello de Carvalho; Escola José Rodrigues, dirigida pelo professor José Virginio da Motta; Escola Rosa Passos, dirigida pela professora Anna Correa de Miranda e a Escola Professor Sarmento, dirigida pela professora Carmelita Rodrigues dos Santos.

1932 – No dia 21 de julho, o prefeito de Monte Alegre, PA, dr. Arnóbio Franco, pediu exoneração do cargo de prefeito daquela cidade, em um gesto de solidariedade para com seu irmão, dr. Renato Franco, que entrou em desentendimento com o Governo do Estado do Pará.

1941 – O prefeito interino de Santarém, Djalma Marques de Carvalho, após ouvir diversas denúncias, manda averiguar os pesos usados pelo Açougue do Bairro da Prainha. Apesar das desconfianças, os pesos encontravam-se normais durante a fiscalização.

1948 – É inaugurada, na cidade de Óbidos, uma nova usina de eletricidade daquele município, obra do prefeito Guilherme Lopes de Barros. O evento conta com a presença do deputado João Camargo e fez parte dos festejos oficiais da padroeira obidense, Santa Anna, no dia 26 de julho daquele ano.

sábado, 22 de junho de 2019

Uma Santarém melhor para os santarenos ou santarenos melhores para Santarém?



Já tivemos longas e alvas praias, na frente da cidade, onde se banhavam curumins e cunhantãs, onde as borboletas de várias cores impressionavam viajantes, onde se pescavam pirarucus, peixe-bois e se colhiam ovos de tartarugas.
Já tivemos lindas ruas, mesmo de chão batido, mas limpas, impecáveis, de calçadas niveladas, onde antigas casas ostentavam seus azulejos ou aconchegantes fachadas com amplas portas e janelas, que podiam ser mantidas abertas, sem medo que o alheio “fizesse a festa”. Tivemos até um "Castelo" com suas linhas arquitetônicas que fizeram Mário de Andrade comparar Santarém à italiana Veneza...
Já tivemos indígenas que aqui moravam, fazendo o Sairé no bairro da Aldeia, pintando cuias, fazendo redes, artesanato em palha, que encantavam viajantes e turistas alguns artefatos desses que podiam ser vistos no velho Mercado, limpo, ordeiro, faceiro, onde as pessoas compravam tracajás e talhos de carnes de caça, bichinhos feitos de borracha (látex).
Já tivemos são João com fogueiras, pássaros, boi-bumbá, quadrilhas, onde as famílias repartiam (isso mesmo, não era vendido) milho cozido, munguzá, tacacá, tarubá, etc. Isso, sem contar as piracaias, na praia do Trapiche, na Coroa de Areia, onde o peixe assado acompanhava modinhas de violão para a donzela amada ou a lua cheia que brilhava.
Já tivemos cientistas ilustres (Spix, Martius, Spruce, Bates, Wallace, etc), que nos brindaram não somente com sua presença, mas com registros encantadores sobre nossa flora e fauna, sobre a beleza de nossos lagos (Mapiri, Maicá, etc) e a riqueza cultural de nosso povo.
Olhar para o passado, nos faz pensar: que Santarém queremos deixar para o futuro? Será que nossos descendentes poderão se vangloriar de nós? Ou melhor, que Santarém eles terão?
Nestes dias que antecedem a data da fundação da Missão Religiosa entre os indígenas, marco da presença de posse colonial portuguesa desta região, pensemos como aquelas belezas do passado não tão distantes assim, já não são mais as belezas que temos, se perderam, em um piscar de olhos, no tempo e no espaço, ficando apenas na memória de alguns poucos teimosos...
Hoje, podemos nos perguntar, o que é Santarém? Uma cidade? Um lugar? O rio, a mata, a praia, a cultura? Talvez tudo isso... Mas isso não teria nenhum sentido se não pensarmos que Santarém também somos todos nós. O que faz a beleza de Santarém são os santarenos. O que faz a cultura rica de Santarém são os santarenos. O que faz esta terra encantadora, são os santarenos que cuidam de seus encantos...
Sendo assim, se quisermos uma Santarém melhor, precisamos de santarenos melhores...
Precisamos de santarenos que tem autoridade para governar não somente para seu partido político ou para seu grupinho, mas governar servindo a todos e pensando no bem de todos...
Mas, não basta apenas reclamar da gestão pública, se temos santarenos que jogam lixo nas ruas, que descartam lixo nos rios e nas praias, que não cuidam da limpeza na frente e no quintal de suas casas, que não acolhem bem aos turistas, que “furam” fila, que avançam no sinal vermelho, que não ajudam o próximo, que não respeitam os outros.
Precisamos de santarenos melhores, que exijam seus direitos, mas que também cumpram com seus deveres. Quem faz uma Santarém melhor, senão santarenos que sejam bons, que façam o bem para si e para todos os que vivem em Santarém?
Que possamos olhar para o futuro, com gratidão ao passado. Mas que usemos o presente para fazermos de Santarém uma terra melhora para os santarenos que aqui nasceram, que aqui vieram, que aqui trabalham, que aqui moram e que aqui vivem a esperança de melhores dias, a fé no Criador de tão grandes belezas e o amor pela maior riqueza de Santarém: o seu próprio povo.
Parabéns Santarém!

Santarém, 22 de junho de 2019.
Pe. Sidney Augusto Canto

NOTA: Foto de Santarém em 1935, do acervo de Ignácio Ubirajara Bentes de Sousa Neto.

segunda-feira, 17 de junho de 2019

A última viagem de Hélcio Amaral



Conheci melhor o Hélcio quando eu, aluno da professora Rosinete, frequentava sua casa. Ele logo me acolheu bem, e logo fomos conversando sobre Óbidos e sobre nossas famílias (um irmão do Hélcio, o Renato, é casado com a irmã de minha mãe, Auxiliadora).
Desde então, não me recordo de nenhum encontro com Hélcio Amaral em que ele não tocasse, de alguma forma, de sua querida Óbidos. Fosse nas visitas que lhe fazia em sua casa (onde ele sempre me mostrava seu acervo, um tesouro histórico de grande valor), ou nos encontros que a vida nos proporcionava fora.
Em uma dessas visitas mais recentes, conversamos sobre seu novo livro. Hélcio gostava muito de escrever e também de ler. Ele era um dos meu leitores assíduos.
Hoje, ele parte em sua última viagem. Aquela viagem definitiva que todos nós faremos um dia. Voltar para casa. Não para as casas que construímos, mas a casa que o Pai Celestial constrói para cada um de nós. Boa viagem Hélcio. Um dia a gente se encontra na verdadeira paz!

NOTA: A foto que ilustra este texto, faz parte do acervo do professor Antônio Pereira, é da época em que Hélcio foi vereador em Santarém.

segunda-feira, 10 de junho de 2019

O aniversário de 10 anos da Escola Frei Othmar


A escola Frei Othmar completou, dia 24 de outubro, dez anos de funcionamento, fazendo cumprir, naquela data, uma programação especial. Houve desfile, cantos e poesias, além de um coquetel para os pais dos alunos. A escola possui um contingente de mil setecentos e vinte alunos e cinquenta e dois professores. Sua atual diretora é a professora Benedita Pereira Brasil e o nome da escola é uma homenagem ao seu fundador. 

Discos voadores no Lago Grande de Curuai – 1979


Moradores da região de Lago Grande, Urucurituba e outras, continuam denunciando a perseguição que estão sofrendo por um objeto luminoso desconhecido. Em alguns pontos, o estranho objeto persegue lavradores, apaga lamparinas e espanta crianças. Em alguns lugares já não se pode pescar à noite. As populações das áreas atingidas estão apavoradas com o fato. 

Programação Nipônica em Santarém – 1979


A Colônia Japonesa, radicada no Baixo Amazonas, em conjunto com a Prefeitura Municipal de Santarém, comemorou ontem, dia 27 de outubro, o 50º aniversário da imigração japonesa na Amazônia. A programação constou de torneio de beisebol no campo do Norte Clube, palestra do prefeito pela Rádio Rural e, na sede do Cearense Atlético Clube, às 20:00 horas, foi realizada uma sessão solene em homenagem aos primeiros imigrantes, apresentação de “Danças Folclóricas Japonesas” e coquetel aos convidados. 

Denúncia de Comandante do 8º BEC contra Dom Tiago Ryan


Durante a visita do Governador Alacid Nunes ao comando do 8º BEC – Batalhão de Engenharia e Construção, o comandante, coronel Aldo Rangel, fez uma explanação a respeito das atividades do Batalhão, inclusive no que diz respeito à segurança da área.
Em meio à sua palestra para Alacid e comitiva, Aldo Rangel acusou veladamente a infiltração estrangeira nesta região, dirigindo-se principalmente ao bispo da Prelazia de Santarém, Dom Tiago Ryan, que é americano.

Momento Poético: “ET EXALTAVIT HUMILES”


Por Pe. Manuel Rebouças Albuquerque

“Meu Deus, por vosso amor, por vossa glória,
– (Falou Maria) – eu quero ser pequena,
Folhinha branca de uma linda história,
Como é branca a alma branca da açucena!...

Ninguém me gurde em nichos da memória,
Ninguém cante o meu nome em leda avena;
E como sombra e luz, toda incorpórea,
Minha ausência a ninguém se mude em pena...”

sábado, 8 de junho de 2019

Seminário São Pio X na década de 1960


Grupo de indígenas Mundurucu na década de 1950


Celebração na Escola Santo Antônio em Mojuí dos Campos


A Portaria das Pipas, da Bola e das Bombas – 1969


Em 09 de junho de 1969, o delegado de Polícia, o 1º Tenente Mário de Holanda Neves, por meio de uma única Portaria, proíbe as crianças e jovens de empinar papagaios (pipas), por conta do risco que esses representam para a rede elétrica; também proíbe que se jogue bola nas ruas da cidade e, por fim, também proíbe o uso de “bombas” para pescaria. Vale ressaltar que tal portaria não foi, ao que se sabe, posteriormente revogada.

A suspensão de voos para Santarém em 1969


Nesta hora em que se fala em valorizar a Amazônia, para integra-la ao resto do Brasil, ao qual ela também pertence; quando falamos já em elevar Santarém à capital do futuro Estado do Tapajós ou do Baixo Amazonas, surge assim como que por encanto uma determinação que não podemos recebe-la sem revolta, nem deixar de taxa-la de criminosa.

A questão da falta da carne em Santarém – 1969


Já há bastante tempo Santarém não sentia crise que vem sofrendo ultimamente quando a carne passou a escassear no mercado. Não sabemos a que atribuir esse fenômeno, mas o certo é que o principal produto da nossa alimentação está faltando e quem não sair do leito de madrugada para enfrentar uma fila não consegue levar para casa um pedaço de CARNE TRASEIRA para o almoço.

O Problema do Plantão de Farmácias em Santarém – 1969


Não é de hoje que a população exige, e se assim o faz é porque sente a necessidade, pois o problema não é dos dias atuais, tanto que a Câmara de Vereadores, em tempos que já vão longe (quando ela funcionava), aprovou uma lei com a finalidade de resolve-lo; entretanto, àquela altura dos acontecimentos, como tudo era na base do deixa para mais tarde, o tempo foi-se passando, o povo sofrendo a necessidade, e o problema não foi resolvido. Alegavam as pessoas que deviam solucionar a questão que a falta de luz e a segurança advinda desse fato não permitia que cumprissem o que determinava a lei, de forma que nem ao menos chegou a ser regulamentada a fim de que pudesse ser exigida a sua observância.

O Grupo de Estudos de Teatro Amador em Santarém – 1979


O Grupo de Estudos de Teatro Amador (GETA), primeiro grupo de teatro formado em Santarém, estreiará dia 17 de junho com a peça intitulada “Angélica”. É uma peça infantil escrita por Lígia Bujunga. O grupo está sendo dirigido pelo dr. Osvaldo Freitas, do Cena Aberta, em Belém. O grupo está formado pelas seguintes pessoas: Meive Favoron, Antônio Inácio Sena, Nazaré Bentes, Maria Edna Pelissari, Marilene Barroso, Domingos Djalma e Luiz Antônio. 

Oriximiná inaugura seu hospital – 1979


Com trinta leitos, sala de cirurgia, sala de parto e dotado dos melhores requisitos técnicos, será inaugurado no dia 01 de junho o Hospital da Fundação SESP da cidade de Oriximiná. A nova unidade hospitalar oriximinaense será servida por três médicos, uma enfermeira e um corpo de setenta e cinco auxiliares. No ato inaugural estarão presentes: dr. Antônio Gonçalves de Lima, diretor regional da Fundação SESP e dr. Abel Tenório, coordenador do Setor de Saúde da Presidência do órgão. 

As obras da ASAT em 1979


As obras do Abrigo dos Tuberculosos que está sendo construído pela Associação Santarena de Assistência aos Tuberculosos vão saindo a passos de cágado, somente com ajuda da população. Muito embora já se tenha feito alguma manifestação a respeito, até hoje nenhuma autoridade disse alguma coisa, como se essa obra meritória não fosse uma obrigação de todos.

A comemoração dos 150 anos da Câmara Municipal de Santarém


Nos festejos dos 150 anos de atividades da Câmara Municipal de Santarém, o professor Gaspar Erick Stemmer, reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, recebeu das mãos do prefeito Antônio Guerreiro Guimarães, o título de Cidadão de Santarém, pelos inúmeros serviços prestados à cidade e à região. O prof. Gaspar mostrou-se sensibilizado com a honra prestada pelo Legislativo, dizendo que, embora já tivesse recebido várias homenagens, a de Cidadão Santareno foi a que mais marcou a sua vida, por ter sido feita no extremo norte do país e ter repercussão no Estado de Santa Catarina.