sexta-feira, 25 de novembro de 2016

As reformas da Catedral – Dom Lino e Pe. Valdir Serra



Posteriormente, no ano de 1986, Dom Lino Vombommel autorizou o então vigário da Catedral, Padre Valdir Sôares Serra, a empreender nova reforma no Templo, o que ocorreu no ano seguinte. Esta reforma proporcionou parte do aspecto que se apresenta em nossos dias. Deixemos que as palavras do próprio padre Valdir, em uma entrevista concedida ao Jornal de Santarém (publicada em 01 de outubro de 1987), nos falem dos motivos que o levaram a este empreendimento:

Primeiro que tudo, acho que qualquer pessoa sempre quer ver o que lhe pertence, limpo, asseado e bem conservado. Eu sempre achei que, muito embora, a grande maioria dos paroquianos e católicos em geral não se prontifique para, de perto, zelar pelo patrimônio físico que lhes pertence, sempre cobra do padre o zelo por esse patrimônio. Embora não metam a mão para fazer diretamente ou para ajudar a fazê-lo, todo mundo se sente bem ao entrar no templo, secretaria ou outra dependência de âmbito eclesial, e ver que a coisa está sendo bem zelada, asseada e organizada. Quando não o vê bem assim, reclamam calados, reclamam a outros, sugerem para o vento e uns poucos tem a coragem de vir às reuniões sugerir, reclamar e prontificar-se para ajudar. Durante esses quatro anos que sou pároco da Catedral, minhas grandes orelhas captaram aos meus bons ouvidos, uma série de pequenas reclamações e sugestões de uma série de pessoas para executar certas melhorias na Catedral. Sempre ouvi tudo, e como tenho um temperamento secundário, ouço, fico remoendo, prometendo e pensando como executar a sugestão viável. Foi o que aconteceu. Ouvi muito e até prometi um pouco. Mas não ficou só nisso. Procurei influenciar pessoas, convidando-as para juntos promover bem as festas de Nossa Senhora e assim guardar o dinheiro necessário para fazer o reclamado e sugerido. Graças a Deus, Nossa Senhora nos iluminou, protegeu e ajudou! E assim, este ano, que é um Ano Mariano, pudemos realizar parte do grande sonho de muita gente, realizando certas melhorias na igreja de pedra, que é um reflexo da melhoria da igreja-pessoas.

Na mesma ocasião, assim se expressava o padre sobre os trabalhos realizados:

O trabalho, neste momento na parte maior da Catedral, já teve uma etapa anterior, que acho justo mencionar, porque ela envolveu gastos da mesma fonte. Primeiramente tratei de fazer melhorias no anexo da secretaria paroquial. Foi separada uma sala com a infraestrutura necessária para fazer funcionar a fábrica de hóstias, melhorias na copa da secretaria, no banheiro e sanitários das secretarias; foram construídos dois sanitários e um banheiro para uso daqueles que vem para as reuniões e mesmo para as pessoas que se aperreiam nas andanças pelo comércio ou vem para as funções litúrgicas. Em seguida, foi feita uma boa reforma na antiga sacristia, que serviu como depósito por um bom tempo, onde funciona agora a sala mortuária com um anexo de uma pequena copa e dois sanitários. No momento atual, o trabalho é bem maior. Deixe-me enumerar: foi levantada entre o fim da parede e o telhado de todo o corpo da igreja uma fieira de tijolos com uma dupla função: evitar a entrada de morcegos para o forro e afugentar o pombal que estava em crescimento acelerado causando sérios vexames para quem estava assistindo missa; os janelões do alto receberam venezianas de alumínio para evitar o sério problema de borrifo de chuva em todo o interior da igreja pelo tempo da invernada, quando ela vem acompanhada de ventos fortes; para substituir, em parte, a função dos exaustores que esses janelões tinham, foram reabertas as três janelas grandes da frente, que eram as portas do antigo Coro. Lá serão colocadas três vitrais para enfeitar melhor e clarear mais o interior da Igreja; foram levantadas 14 treliças de ferro para o suporte do forro; foi feita uma instalação elétrica própria no interior do forro para evitar morcegos e facilitar qualquer trabalho lá dentro, quando necessário; o forro todo está pronto e pintado; a nova instalação de som está feita; estão sendo confeccionadas as novas caixas de som para o novo estilo de distribuição interna de som; nova instalação elétrica para os antigos ventiladores e para novos ventiladores; a pintura externa com as cores originais da Catedral; pintura e melhorias na Biblioteca do Bispo; colocadas grades de ferro nas duas antigas portas do Coro, o que representava um sério perigo para um desvairado que subisse para uma das torres; foram recuperadas as 14 estações da Via Sacra. Ainda está em andamento a pintura interna do templo: deverão ser iniciadas as pinturas artísticas das paredes internas no estilo do passado; o novo conjunto de luzes do presbitério; a grande escultura em papier-marché do Divino Espírito Santo no centro do forro do presbitério; o altar do Santíssimo Sacramento, que volta para o fundo da igreja (imitando a mesa do altar antigo); a nova cruz no estilo original para o crucifixo de Von Martius e a escultura em alto relevo na parede do fundo do altar do Santíssimo, idealizado por Laurimar Leal. Assim deve ser o projeto de trabalho. Parte está feita, parte em andamento e parte por começar.

Foram ainda recompostos dois altares laterais, e a escultura em alto relevo na parede, junto à imagem do “Crucificado de von Martius”, idealizada pelo artista Laurimar Leal não chegou a ser iniciada. As duas pias de água benta que ficavam junto ao antigo Coro, foram colocadas em ambos os lados do arco que separa a nave central do presbitério.


NOTA: Trecho do livro “A Catedral de Santarém”, de Pe. Sidney Canto, lançado em 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário